top of page
  • Foto do escritorMário Guilherme Braga

Depressão maior: Considerações sobre uma abordagem multiprofissional.

Atualizado: 22 de mai.

A depressão é um transtorno mental que afeta a saúde pública brasileira e mundial, constituindo-se como um dos problemas mentais mais frequentes, com altos níveis de prevalência (1), afetando pessoas de todas as idades, raças, etnias e classes sociais (15,16,17).


Homem sentado no sofá com a mão na cabeça

É mentalmente natural ter pensamentos e sentimentos desagradáveis, além dos prazerosos, pois isso nos dá acesso amplo à complexidade de nossas histórias pessoais. A dor psicológica é inerente as situações difíceis na vida. Todavia, a rigidez psíquica causa dor e sofrimento, o que torna o funcionamento mental desadaptativo (14).


É o que também ocorre nessa psicopatologia e que pertence ao grupo dos transtornos afetivos; gera prejuízo e sofrimento ao indivíduo além de causar impacto nas mais diversas esferas da vida: traz prejuízo pessoal, social e ocupacional (2).


Sua etiologia é multifatorial, envolvendo uma interação complexa entre fatores genéticos, neuroquímicos, psicológicos e ambientais. Estudos sugerem que desequilíbrios nos neurotransmissores desempenham um papel crucial. É mais frequente no sexo feminino, e apresenta também fatores genéticos associados, aumentando a suscetibilidade em alguns indivíduos, bem como fatores ambientais: eventos traumáticos, perdas importantes, estresse crônico. Dentre os fatores familiares podem estar presentes na vida do indivíduo um ambiente emocional altamente invalidante e ou disfuncionais (15, 16, 17,18).


Outras variáveis a serem consideradas são os fatores hormonais: menopausa, puerpério, gravidez; e o uso de substâncias como álcool e drogas; que podem tanto desencadear como potencializar a gravidade do quadro. Doenças físicas como problemas neurológicos e as doenças crônicas precisam ser consideradas (15,16,17), bem como a presença, em alguns quadros, de comorbidades como: Transtorno de Personalidade e que podem requerer uma abordagem psicológica mais específica (2,18).


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 322 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão (3), em conformidade com esse dado, um levantamento feito pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2008, identificou que 4,13% da população brasileira autorrelatou ter tido diagnóstico médico de depressão (4). Cerca de 3 a 5% da população geral será afetada por um quadro depressivo em algum momento da vida (8). Outro dado importante é o de que a prevalência de depressão maior em adultos jovens entre 18 a 29 anos, é, 3x mais do que em pessoas acima dos 60 anos (11).


As principais queixas somáticas na depressão são: tontura, mal-estar indefinido, peso ou vazio na cabeça ou no corpo, aperto no peito, tremores, angústia e nervosismo (5). Outros sintomas são cansaço, falta de energia, isolamento social, falta de concentração, irritabilidade, choro fácil, desânimo, desesperança, anedonia, alteração no apetite, alteração no peso corporal e no sono, agitação ou retardo psicomotor, diminuição da libido, ideação suicida (1,2,6,7).


Pessoa em uma praia com tom sombrio, triste.

É importante destacar que a característica essencial como o de um quadro depressivo maior é um período de pelo menos duas semanas em que há um humor depressivo ou perda do interesse ou de prazer em quase todas as atividades. (11)

Dentre os níveis de gravidade, depressão leve pode ser tratada com Psicoterapia, porém, as de nível moderado e ou grave precisam de intervenções combinadas, isto é; Psicoterapia e psicofármacos específicos (9).


Vale lembrar que o tratamento do Transtorno depressivo maior geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar que combina intervenções médicas, psicoterapia, mudanças no estilo de vida e em alguns casos suporte social (15,16,17).


Os antidepressivos são medicações frequentemente prescritas para ajudar a regular os neurotransmissores no cérebro, em especial os níveis de serotonina, noradrenalina e dopamina (15,16,17).


Já no campo da Psicoterapia observa-se que nos quadros depressivos as cognições do indivíduo encontram-se distorcidas, e a visão do paciente revela-se negativa em relação a si, ao outro e ao mundo. Tal viés cognitivo é rígido, pessimista, o que gera sentimentos de inadequação, rejeição interpessoal e menos valia, o que reforça um sistema de desmotivação e inatividade (9).


As principais ferramentas cognitivas ou estratégias trabalhadas na TCC para o tratamento desse quadro e que forem desenvolvidas por Aaron Beck e Judith Beck envolvem: a Psicoeducação, Cartões de Enfrentamento, Questionamento Socrático, Registro de Pensamentos Disfuncionais (RPD), Reestruturação Cognitiva, Prevenção de Recaída. A principal intervenção ou estratégia comportamental é a Ativação Comportamental (12).


Outra modalidade psicoterapêutica para o tratamento da depressão é a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) de Steven Hayes, uma modalidade de psicoterapia de terceira geração das psicoterapias comportamentais que visa trabalhar na aceitação do sofrimento, práticas meditativas, juntamente com o compromisso do paciente voltado para mudanças comportamentais. As intervenções procuram ajudar o paciente a ter seus valores claros e caminhar em direção a eles, dando sentido e qualidade de vida. O foco do tratamento é o de substituir aspectos como a rigidez cognitiva e a esquiva experiencial pela aceitação e pela desfusão cognitiva, rumo a flexibilidade psicológica (2,13,14).


Para pacientes com a presença do Transtorno de Personalidade borderline (TPB) tem-se como o tratamento psicoterápico de primeira escolha a Terapia Comportamental Dialética (DBT), desenvolvido pela norte americana Marsha Linehan, que trabalha as áreas das habilidades de mindfulness, efetividade interpessoal, regulação emocional e tolerância ao mal-estar. Na DBT há uma estrutura de tratamento formado por: psicoterapia individual, grupo de habilidades, coaching telefônico e time de consultoria para psicoterapeutas (18). Cabe complementar aqui de que se houver outro tipo de TP no paciente recomenda-se a Terapia de Esquemas de Jeffrey Young e que visa identificar dentre os 18 esquemas iniciais desadaptativos (EIDs), quais se encontram ativados e como os mesmos têm trazido prejuízo e sofrimento ao paciente, a fim de enfraquecê-los e desenvolver/ fortificar no paciente o modo adulto saudável (19).


Outras abordagens complementares no tratamento da depressão são a realização de exercício físico regular, uma dieta equilibrada e um padrão de sono adequado que auxiliam no tratamento; suporte social: o apoio de amigos, familiares e que desempenham um papel importante no tratamento, proporcionando compreensão e incentivo. É imprescindível o acompanhamento regular com os profissionais de saúde mental para avaliação da eficácia do tratamento e fazer ajustes conforme forem sendo necessários (15,16,17).


Em síntese, para o tratamento da depressão, as Terapias Cognitivo Comportamentais têm se revelado eficazes e como tratamento de primeira linha, pois fornecem estratégias fundamentais dentro do tratamento como reestruturação cognitiva, a ativação comportamental, o treino de habilidades e aprendizagem de novos repertórios (10).


O prognóstico pode variar significativamente de uma pessoa para outra e é influenciado por vários fatores, incluindo gravidade do quadro, presença de fatores de risco e a resposta ao tratamento. A adesão consistente ao plano de tratamento, incluindo o uso adequado de medicamentos prescritos e a participação nas sessões de psicoterapia, pois são sine qua non para um prognóstico favorável.


Conclusão:

O Transtorno depressivo maior é uma condição complexa que exige uma compreensão abrangente para realizar uma abordagem eficaz. A pesquisa contínua é necessária para desenvolver tratamentos mais personalizados e estratégias de prevenção. A conscientização pública, a quebra do estigma e o apoio contínuo aos pacientes são igualmente cruciais para diminuir o impacto desse grave transtorno.


REFERÊNCIAS


1 ANDRETTA, Ilana & OLIVEIRA, Margareth da Silva. Manual prático de terapia cognitivo-comportamental. Casa do Psicólogo. São Paulo. 2012.

2 RANGÉ, Bernard & colaboradores. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Artmed. 2 edição. Porto Alegre. 2011.

3 WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. Depression and other common mental disorders: global health estimates. Geneva: WHO, 2017.

4 JULIÃO & GUIMARÃES, 2013. SEXO, OCUPAÇÃO E A PREVALÊNCIA DE SINTOMAS DEPRESSIVOS NA POPULAÇÃO BRASILEIRA: UM ESTUDO COM BASE NA PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE (2013). (https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/11434/1/ppp_n61_sexo_ocupacao_e_a_prevalencia.pdf)

5 SAFFI, Fabiana; ABREU, Paulo R.; NETO, Francisco Lotufo. Terapia cognitivo-comportamental dos transtornos afetivos. Capítulo 23 in RANGÉ, Bernard e colaboradores. Artmed. Porto Alegre.2011.

6 GREENBERGER, Dennis; PADESKY, Christine A. A Mente vencendo o humor. Artmed. Porto Alegre. 2017.

7 LEAHY, Robert L. Vença a Depressão antes que ela vença você. Artmed. Porto Alegre. 2015.

8 American Psychiatric Association. Diagnostical and statiscal manual of mental disorders (DSM-IV-TR) Washington. APA.2003.

9 DREHER, Carolina Blaya; XAVIER, Alice C.M.; BERIA, Pedro. Transtornos depressivos: terapias cognitivo-comportamentais in CORDIOLI, Aristides Volpato. Porto Alegre. 2019.

10 CORDIOLI, Aristides Volpato. Psicoterapias: Abordagens Atuais. 4 edição. Artmed. Porto Alegre. 2019.

11 DSM V. Manual Diagnóstico e estatístico dos Transtornos Mentais. DSM-5. 5 edição. Artmed. 2014.

12 RODRIGUES, Viviane Samoel; HORTA, Rogério Lessa. Modelo Cognitivo-Comportamental da Depressão. Capítulo 14. In Andretta & organizadoras. Casa do Psicólogo. São Paulo. 2012.

13 SABAN, Michaele Terena. Introdução à Terapia de Aceitação e Compromisso. Artesã. Belo Horizonte. 2015.

14 HAYES, Steven C.; STROSAHL, Kirk; WILSON, Kelly. G. Terapia de aceitação e compromisso. Artmed. Porto Alegre. 2021.

15 American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (5th ed.). Arlington, VA: American Psychiatric Publishing. Kessler, R. C., et al. (2003).

16 The epidemiology of major depressive disorder: Results from the National Comorbidity Survey Replication (NCS-R). JAMA, 289(23), 3095-3105. World Health Organization. (2017).

17 Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. National Institute of Mental Health. (2021). Depression. Retrieved from https://www.nimh.nih.gov/health/topics/depression/index.shtml.

18 LINEHAN, Marsha M. Treinamento de Habilidades em DBT: Manual de Terapia Comportamental Dialética para o Terapeuta. 2 edição. Artmed. Porto Alegre. 2018.

19 SCHULTZ, Natanna Taynara; SILVA, Juliana Vieira Almeida Silva. Organizadoras. Estudo de Casos em Terapia do Esquema. SINOPSYS. Novo Hamburgo. 2021.


Autores: Mário Guilherme Braga, Especialista em Psicoterapia Cognitivo Comportamental pelo Centro Universitário de Itajubá-FEPI- MG e Formação em Terapias Cognitivas e Contextuais pela Vila elo, Porto Alegre- RS. Contato: marpsicobraz@yahoo.com.br

Dr. Leonardo Fortes Colósimo, Especialista em Psiquiatria Clínica pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Contato: leonardo.colosimo@hotmail.com



0 comentário

Commentaires


bottom of page