top of page
  • Foto do escritorInstituto Córtex

Ansiedade e Redes Sociais: Você consegue se desconectar?

Atualizado: 11 de mar.

A ansiedade é uma resposta natural do corpo a situações de estresse e perigo. Ela desempenha um papel vital ao nos alertar sobre possíveis ameaças e preparar o corpo para reações de luta ou fuga. No entanto, quando a ansiedade se torna crônica e interfere na vida cotidiana, ela pode se transformar em um problema de saúde mental. A ansiedade generalizada, transtorno de ansiedade social, transtorno do pânico e outras condições relacionadas podem causar sintomas como inquietação, nervosismo excessivo, preocupação constante e até ataques de pânico.


Mulher jovem sentada com notebook entre as pernas
O que está nas redes quase sempre não corresponde a realidade

No cenário atual, as redes sociais têm desempenhado um papel cada vez mais significativo na vida das pessoas. Plataformas como Facebook, Instagram, Twitter e TikTok se tornaram parte integrante da comunicação, conexão social e compartilhamento de informações. No entanto, essa imersão digital também trouxe consigo uma série de desafios, incluindo a relação entre o uso das redes sociais e o aumento dos níveis de ansiedade.


O uso massivo de redes sociais pode ser atribuído a diversos fatores. A necessidade de conexão com amigos e familiares, o acesso rápido a notícias e informações e a busca por entretenimento são apenas algumas das razões que levam as pessoas a passarem horas diante de telas. No entanto, o que parece ser uma atividade aparentemente inofensiva pode se tornar um gatilho para sentimentos de ansiedade, exacerbando preocupações já existentes e até mesmo desencadeando ansiedades antes não identificadas.


Nesse contexto, é importante reconhecer que a relação entre ansiedade e redes sociais não é uniforme para todos. Algumas pessoas podem usar as redes sociais sem experimentar efeitos adversos significativos em sua saúde mental, enquanto outras podem ser mais suscetíveis aos impactos negativos. Portanto, é crucial abordar essa relação com uma perspectiva aberta e sensível, compreendendo que diferentes fatores individuais podem influenciar a maneira como as redes sociais afetam a ansiedade.


No decorrer deste artigo, exploraremos de maneira mais aprofundada como o uso prolongado das redes sociais, as métricas de engajamento, o FOMO (Fear of Missing Out), a comparação social e outras questões estão interligadas à ansiedade. Além disso, abordaremos como é possível gerenciar esses impactos negativos e cultivar uma relação mais saudável com as redes sociais, priorizando o bem-estar emocional.


O uso prolongado das redes sociais:


O uso prolongado das redes sociais se tornou uma característica marcante da vida contemporânea. Embora essas plataformas tenham proporcionado uma maneira eficaz de se conectar com amigos, compartilhar momentos e expressar opiniões, também trouxeram consigo uma série de desafios psicológicos, incluindo o potencial de aumentar os níveis de ansiedade.


Homem sem expressão segurando o telefone
Horas perdidas rolando o feed

As redes sociais, muitas vezes, funcionam como uma janela para a vida de outras pessoas aparentemente perfeitas, com corpos idealizados e conquistas ostensivas que, potencialmente, estimularão a comparação social. Diferentemente da TV, revistas ou do cinema, onde os “modelos” expostos são artistas, celebridades ou personagens ficcionais com uma relação vertical com o público, nas redes digitais a interação é mais horizontal, ou seja, o contato com essas personalidades é direto, sem a intermediação de um programa de TV, por exemplo. Isso dá maior sensação de proximidade e veracidade. Ao mesmo tempo, é possível acompanhar a rotina dos seus vizinhos, amigos e até mesmo de desafetos. Em resumo, as pessoas estão expostas a inúmeros modos de viver, comer, amar, trabalhar, etc. Assim, usuários podem avaliar suas próprias vidas com base nos padrões e realizações de outros, gerando sentimentos de inadequação e baixa autoestima. O desejo de se enquadrar nesses padrões inatingíveis pode causar uma pressão constante para manter uma aparência e estilo de vida que nem sempre refletem a realidade.


Métricas de engajamento, como curtidas, compartilhamentos e seguidores, podem desencadear uma busca por validação social. Quando uma postagem não recebe a quantidade desejada de interações, isso pode levar a sentimentos de desapontamento e frustração, afetando diretamente a autoimagem da pessoa. O ciclo de recompensa associado a essas métricas pode criar uma dependência emocional, fazendo com que as pessoas busquem constantemente validação externa, o que pode levar a uma sensação de insatisfação constante.


O cultivo do medo de perder algo, conhecido como FOMO, é outro aspecto que alimenta a ansiedade nas redes sociais. A constante exposição a eventos, atividades e experiências de outras pessoas pode fazer com que indivíduos se sintam excluídos ou que estão perdendo oportunidades. A pressão para estar sempre online e atualizado sobre as últimas novidades pode resultar em um estado de alerta constante, onde as pessoas têm dificuldade em se desconectar e desfrutar do momento presente.


Efeito das métricas de engajamento:


As métricas de engajamento, como curtidas, compartilhamentos e seguidores, desempenham um papel central na experiência das redes sociais. Embora essas métricas tenham sido inicialmente introduzidas para medir a popularidade e a interação com o conteúdo, elas também têm um impacto significativo na psicologia dos usuários e podem contribuir para a ansiedade.


Essas métricas podem criar um ciclo de recompensa que se assemelha a um jogo. Quando alguém recebe curtidas, comentários e compartilhamentos em suas postagens, o cérebro libera dopamina, um neurotransmissor associado à sensação de prazer e recompensa. Essa sensação de gratificação imediata pode incentivar as pessoas a buscarem continuamente mais engajamento e validação através de seus posts, criando uma dinâmica de dependência.


Homem segurando um notebook
O número de curtidas não define você

No entanto, essa busca por validação nem sempre é saudável. A falta de interações em uma postagem pode ser interpretada erroneamente como desinteresse ou rejeição, levando a sentimentos de inadequação e desânimo. Isso pode ter um impacto negativo na autoestima, especialmente quando as métricas são usadas como um barômetro de valor pessoal.


Além disso, a natureza superficial das métricas de engajamento pode distorcer a maneira como as pessoas percebem suas próprias vidas e as dos outros. O número de curtidas ou seguidores não reflete necessariamente a riqueza das experiências pessoais ou a qualidade das conexões sociais. As pessoas podem começar a medir seu próprio valor com base em números, o que pode levar a uma busca interminável por validação externa.


Para lidar com o impacto negativo das métricas de engajamento na ansiedade, é fundamental cultivar uma mentalidade consciente e crítica ao usá-las. Isso envolve reconhecer que a validação online não deve ser a única fonte de autoestima e que o valor de uma pessoa transcende números e curtidas. Além disso, definir metas pessoais e priorizar a conexão genuína com os outros pode ajudar a reduzir a importância excessiva das métricas de engajamento.


FOMO (Fear of Missing Out) e a ansiedade nas redes sociais:


O medo de perder algo, ou FOMO (Fear of Missing Out), é uma emoção poderosa que tem sido amplificada pela constante conectividade das redes sociais. Ele descreve a sensação de que outras pessoas estão vivendo experiências emocionantes e significativas, enquanto alguém está perdendo essas oportunidades. O FOMO pode levar a uma busca incessante por estar presente em todos os eventos, atividades e discussões online, o que, por sua vez, pode aumentar os níveis de ansiedade.


Fear of Missing Out - FOMO
Quando se desconectar gera sofrimento

As redes sociais oferecem um fluxo constante de atualizações sobre as vidas das pessoas, desde viagens exóticas e eventos sociais até conquistas profissionais e momentos de lazer. No entanto, essa exposição contínua às experiências alheias pode criar uma sensação de pressão para acompanhar o ritmo e estar sempre engajado, sob o risco de ficar excluído ou perdendo oportunidades únicas.


O FOMO pode levar a uma necessidade constante de verificar notificações, atualizações e posts recentes, tornando difícil desconectar e aproveitar o momento presente. A constante preocupação de estar perdendo algo pode resultar em um estado de alerta constante, contribuindo para a ansiedade. Além disso, a comparação entre a própria vida e as vidas aparentemente emocionantes dos outros pode aumentar os sentimentos de inadequação e diminuir a autoestima.


Para lidar com o FOMO e a ansiedade relacionada nas redes sociais, é importante praticar a consciência plena (mindfulness) e o autocuidado. Isso envolve estar presente no momento atual, aceitar que é impossível participar de tudo e reconhecer que as experiências compartilhadas online muitas vezes são versões idealizadas da realidade. Estabelecer limites saudáveis para o tempo gasto nas redes sociais, definir prioridades claras e cultivar uma atitude de gratidão pelo que se tem na vida atual também pode ajudar a reduzir o impacto negativo do FOMO.


Dicas para gerenciar a ansiedade nas redes sociais:


Enquanto as redes sociais oferecem oportunidades valiosas de conexão e compartilhamento, é essencial adotar estratégias para minimizar os efeitos adversos que elas podem ter sobre a saúde mental. Aqui estão algumas dicas práticas para gerenciar a ansiedade nas redes sociais:


  • Estabeleça limites de tempo: Defina um limite diário ou semanal para o tempo gasto nas redes sociais. Isso ajuda a evitar o uso excessivo e a sensação de estar sempre conectado.

  • Desconecte-se regularmente: Tire intervalos regulares das redes sociais. Use esse tempo para se envolver em atividades offline que lhe tragam alegria e relaxamento.

  • Crie um espaço positivo: Siga perfis que promovam positividade, inspiração e autenticidade. Evite seguir aqueles que geram comparação negativa ou ansiedade.

  • Seja consciente das emoções: Esteja atento às emoções que você experimenta enquanto usa as redes sociais. Se algo estiver causando ansiedade, considere diminuir o tempo ou se desconectar.

  • Pratique a compaixão consigo mesmo: Lembre-se de que é normal sentir-se inadequado ou ansioso às vezes. Trate-se com a mesma gentileza que trataria um amigo nessas situações.

  • Promova a autenticidade: Compartilhe suas experiências reais e autênticas. Isso pode incentivar outros a fazerem o mesmo e criar um ambiente mais positivo.

  • Defina objetivos claros: Ao usar as redes sociais, defina metas específicas, como interagir com amigos próximos ou aprender algo novo. Isso ajuda a tornar o tempo gasto mais significativo.

  • Pratique o Desapego Digital: Reserve momentos do dia para ficar completamente desconectado de dispositivos eletrônicos, permitindo que você se reconecte consigo mesmo e com o mundo ao seu redor.

  • Busque apoio offline: Se a ansiedade nas redes sociais se tornar esmagadora, fale com amigos, familiares ou um profissional de saúde mental para obter apoio.

  • Avalie suas prioridades: Regularmente, reflita sobre o quanto as redes sociais contribuem para sua vida. Se elas estiverem causando mais ansiedade do que benefícios, considere fazer uma pausa ou ajustar seus padrões de uso.

Lembrando que cada pessoa é única, e pode ser útil experimentar diferentes estratégias e ajustá-las de acordo com o que funciona melhor para você. Gerenciar a ansiedade nas redes sociais exige consciência, autocompaixão e ações deliberadas para cultivar um relacionamento mais saudável com essas plataformas.


Se você está sofrendo com a exposição excessiva e o uso intenso de redes sociais, não tenha medo de procurar ajuda de seus familiares, amigos e de profissionais.


Quer se aprofundar no tema? Na sequência você consegue acessar alguns artigos científicos que tratam do assunto:



Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page